Buscar
  • IPRC Brasil

Como dirigir o comportamento do entrevistado em uma investigação?

Uma entrevista nunca é algo simples, afinal estamos lidando com pessoas, e pessoas não são nada simples. Por outro lado, estar preparado tecnicamente para responder corretamente às ações dos entrevistados pode aumentar a efetividade do entrevistador nesse processo.


As dicas a seguir, se usadas no momento adequado podem auxiliar na obtenção da informação e na decisão de culpa ou não do entrevistado.


1 - Lidando com a incerteza e com a falta de comprometimento:

A incerteza e a falta de comprometimento de um entrevistado podem ser verificadas por uma resposta atrasada, um encolher dos ombros, os olhos olhando para o teto ou a diminuição no volume de sua voz. Esses comportamentos não significam que o entrevistado é necessariamente mentiroso, mas revelam que ele está incerto de sua resposta.


Para compreender estes comportamentos observados geralmente podemos usar os seguintes caminhos:

A) "Você está incerto do que está falando. Deixe-me explicar uma coisa. A nossa investigação continuará e olharemos para todos os tipos de provas forenses e testemunhais. É muito importante que tudo o que você esteja me dizendo seja consistente com o que as outras evidências mostrarão. Com isso em tente, vamos voltar no (diga o ponto específico para o entrevistado) mais uma vez ... "


B) "É evidente que você não está me contando tudo. Seu silêncio pode fazer essa entrevista durar muito mais tempo do que deveria e poderá levar problemas a pessoas inocentes. Vamos lá, diga tudo o que sabe. "


Obs: É válido ressaltar que existem vários outros caminhos para lidar com a incerteza de um entrevistado. Porém, para cada caminho a ser utilizado deve haver uma análise (que ocorre no momento da entrevista) quanto a sua aplicabilidade para cada tipo de caso e entrevistado.


2 - A utilização de um comportamento observado para facilitar a obtenção de informação.

Durante uma entrevista pode ser produtivo comentar sobre um comportamento observado de um entrevistado e usá-lo como uma indicação na análise do entrevistador de que o entrevistado está com dificuldade para dizer a verdade.


É uma forma de persuadi-lo a dizer verdade, pois o entrevistado está ciente de seu envolvimento e o comportamento observado pelo entrevistador é somente mais uma evidência que pode ser apresentada ao entrevistado, mostrando que a situação está afunilando para ele. Segue alguns exemplos de como lidar com o comportamento observado:


A) (Lágrimas nos olhos ou chorar) " Renato, aquelas lágrimas me dizem que você se preocupa com isso e quer resolver o quanto antes. Durante algum tempo em nossa entrevista, eu não achava que você se preocupava com esta situação, mas agora eu vejo que eu estava errado e que você é uma pessoa como outra qualquer, mas que apenas cometeu um erro e que deve ter a chance de corrigir a sua história. Ainda dá tempo Renato. Você não precisa carregar isso tudo sozinho e não é justo com você guardar isso. Vamos colocar as coisas a limpo. ... "


B) (Suspeito é silencioso e parece retido) " Renato, eu posso lhe dizer que olhando para você eu percebo que isso está lhe incomodando por um longo tempo. Seu silêncio me diz que você está debatendo internamente se deve ou não contar a verdade. Eu gostaria de ter um espelho agora para você olhar a sua expressão. Você perceberia que isso tudo está lhe fazendo sofrer muito, e que está escrito na sua cara: “me ajude, pois eu não sei como falar”. Deixe-me perguntar-lhe. Qual é a pior coisa que poderia acontecer com você se você me dissesse a verdade hoje?”


Obs: Devemos tomar muito cuidado ao aplicar a abordagem citada acima, pois além de existir o momento adequado para a sua aplicação o entrevistador deve ter certeza do envolvimento do entrevistado com o caso. Esta certeza muitas vezes será baseada única e exclusivamente na capacidade de observação dos canais de comunicação do entrevistado (facial, corporal, verbal e paralinguístico) para a conclusão de envolvimento ou não do entrevistado por parte do entrevistador devido à inexistência de evidências e provas.

3 - Não abordar especificamente o aparente nervosismo de um entrevistado durante uma entrevista.


Ambos os entrevistados inocentes ou culpados podem parecer inicialmente nervosos durante uma entrevista.


Uma entrevista com essa característica foge da naturalidade e da zona de conforto de qualquer pessoa mesmo aquela que não possui envolvimento com o caso. Nessa circunstância o entrevistado pode oferecer pouco contato visual, exibir tremor, frequentemente limpar a garganta ou falar em voz baixa.


Em algumas situações, entrevistados não envolvidos apresentam tantos sinais de nervosismo e de ansiedade durante a entrevista que acabam sendo confundidos com sinais de dissimulação, quando na verdade estes sinais são gerados pelo receio sobre o quão capaz o entrevistador é para fazer uma leitura correta de suas respostas e por consequência não indicá-lo como culpado ou envolvido no caso.


Em situações de nervosismo e ansiedade devemos estender o período para estabelecer o padrão do entrevistado. Não é apropriado abordar especificamente o seu nervosismo com afirmações como: "Eu posso ver que você está nervoso”; “O que você tem medo?"; "Se você é inocente você não tem motivos para ficar nervoso.”; “Quem não deve não teme”.


A razão para isso é se o nervosismo de um entrevistado inocente é levado ao seu conhecimento direto ou indiretamente, muitas vezes, isso tem o efeito de aumentar o nível de nervosismo e de ansiedade que podem resultar em sintomas de comportamento enganosos, recordações mais pobres e menos informações passadas durante o curso da à entrevista.


A maneira para lidar com esta situação é o entrevistador sentar-se na cadeira, demonstrando uma postura relaxada, e começar a entrevista envolvendo-se por vários minutos em assuntos informais, permitindo ao entrevistado falar sobre temas que lhe dão segurança e um senso de controle, pois fisiologicamente o comportamento somático de falar alivia a ansiedade.


Ao perceber que o entrevistado parece mais confortável dentro das questões ambientais / sociais relacionadas com a entrevista às questões sobre a investigação podem ser feitas.


E aí, gostou das dicas de hoje? Esperamos que você fique mais tranquilo caso se depare com uma dessas situações

291 visualizações